MODELOS DE PREVISÁO DO COMPORTAMENTO Á FADIGA DE JUNTAS SOLDADAS DE ALUMÍNIO

A. Rilleiro  F. Oliveira  A. A. Fernandes      

Anales de la Mecánica de la Fractura, nº 10 . 1993 . Pág. 341 -348
Ver (.pdf): Anales10-048

Resumen: A duraçao de um componente estrutural a fadiga define-se geralmente pelo número de ciclos de aplicaçao de carga até a rotura, envolvendo a fase de iniciaçao N¡ e a fase de propagaçao Np. A fase de iniciaçao pode em determinados casos, representar uma perccntagem significativa do número de ciclos total do p rocesso de fadiga, pelo que a sua inclusao em modelos de previsao do comportamento a fadiga permitiría cálculos mais realistas nomeadamente no caso de componentes sujeitos a solicitaçoes com baixos níveis de tensiio. A presente comunicaçao pretende fazer uma análise comparativa da previsao da resistencia a fadiga obtida por modelos analíticos e testes experimentais quando se tcm cm conta a fase de iniciaçío. Para a fase de iniciaçao foram utilizadas as regras de : i) Neuber ii) Glinka iii) Heuler. Estas regras permitem a quantificaçao do dano do material, o que aliado a curva cíclica do material e a equaçao de Coffin-Manson, permite determinar o número de ciclos da fase de iniciaçüo. A fase de propagaçao foi calculada recorrendo a lei de Paris A parte experimental consistí u em testes de fadiga em juntas cruciformes, com transferencia de carga, de urna liga de alumínio 6061-T651. O modelo analítico dcscnvolvido foi usado para prever o comportamento a fadiga da referida junta.

LocalizaciónMérida

Departamento de Engenharias da UTAD, 5000 Vila Real -Portugal
DEMEGI- FEUP, Ruados Bragas- 4099 Porto - Portugal
DEMEGI- FEUP, Ruados Bragas- 4099 Porto - Portugal